Sérgio Conceição: “Temos de estar ao melhor nível para chegar à final”

Sérgio Conceição anteviu o embate da final four da Taça da Liga frente ao Vitória de Guimarães, esta quarta-feira, em Braga (19h45).

O FC Porto só pensa por estes dias na final four da Taça da Liga, em que enfrenta o Vitória de Guimarães, numa partida agendada para esta quarta-feira, no Estádio Municipal de Braga (19h45, Sport TV). O treinador portista disse que o próximo confronto com o conjunto vimaranense será diferente do que foi protagonizado pelos clubes esta temporada no campeonato e elogiou o adversário, que tem “jogadores e um treinador de qualidade”, salientando que só “ao melhor nível” os Dragões poderão disputar a final.

Diferenças face ao último encontro com o Vitória
“É um jogo diferente daquele do campeonato, que ficou marcado pela expulsão de um central deles no início. Queremos levar o jogo para onde nos sentimos mais confortáveis e depois o encontro vai-nos dando momentos difíceis para os quais temos de estar preparados. O Vitória é uma equipa com qualidade individual e coletiva, forte, que nos vai criar muitas dificuldades”.

Últimos dias
“Temos estado focados no que temos de fazer contra o Vitória, com o pensamento única e exclusivamente naquilo que é o nosso trabalho diário. Os próximos jogos definem o título e nós vamos lutar pelos três pontos, é uma situação normal”.

Reação ao desaire da jornada passada
“É sempre melhor trabalhar em cima de vitórias do que com resultados negativos. Não está tudo bem, não sou hipócrita. Mas já dissecámos um jogo ingrato, vimos o que fizemos menos bem e o que temos de melhorar, e a partir daí fechou a cortina e partimos para o próximo jogo”.

O valor da Taça da Liga
“Eu estou no clube há dois anos e meio e ainda não perdi um jogo para a Taça da Liga. Isto mostra que eu e o FC Porto damos importância à Taça da Liga, à conquista de um título. Nos últimos dois anos perdemos nas meias-finais e na final e ficámos com um sabor amargo. Claro que se me perguntar quais são as prioridades em termos de títulos, o campeonato está à frente”.

Meio-campo
“Não podemos avaliar o desempenho da equipa apenas a partir dos jogadores do corredor central. A análise tem de ser mais abrangente, não tem apenas a ver com os jogadores do meio-campo. Tudo é visto, analisado, trabalhamos em cima de erros que cometemos para nos podermos apresentar da melhor forma contra o Vitória. Ainda assim, o último jogo não foi assim tão mau, até porque o Braga chegou com perigo à nossa baliza nos últimos dez minutos e marcou dois golos em bolas paradas. Apesar disso, houve muita gente que disse que o Braga fez uma grande exibição”.

Pepe, Nakajima e Zé Luis
“Out, os três out”.

Atenção especial aos pénaltis?
“Os pontos críticos são todos os momentos do jogo: os cantos, os pontapés de baliza, os livres. E os penáltis também”.

Críticas
“Não tenho de comentar as críticas dos adeptos. Quando cheguei aqui, o FC Porto não ganhava nada há quatro anos e isso faz com que a exigência baixe. Quando se consegue quebrar a hegemonia do Benfica e ganhar um dos três campeonatos mais importantes na história do FC Porto a exigência aumenta. Li e vi tantas reações de adeptos esta semana que se fosse responder a todos não fazia mais nada e não podia trabalhar para esses adeptos terem alegrias. Tenho um respeito enorme pelos adeptos do FC Porto, agora isso não tem de condicionar o meu trabalho, senão vou-me embora”.

Favoritismo portista?
“No plano teórico há sempre vontade de criar um favorito, mas o que interessa é o que vai acontecer nos 90 minutos. O que temos visto é um Vitória que na Liga Europa era considerado mais frágil do que os adversários e deu sempre uma resposta positiva. A nível nacional, tem mostrado sempre soluções, com jogadores e um treinador de qualidade. Vamos apanhar uma equipa competente e nós temos de estar ao melhor nível para chegar à final de sábado”.

Fonte: fcporto.pt