Sérgio Conceição: “Hoje em dia não há jogos fáceis”

Sérgio Conceição projetou o encontro com o Coimbrões, referente à terceira eliminatória da Taça de Portugal (sábado, 18h45).

A competição está finalmente de regresso e o FC Porto tem uma curta viagem até ao Estádio de Pedroso, em Vila Nova de Gaia, onde defronta o Coimbrões na terceira eliminatória da Taça de Portugal (sábado, 18h45, RTP1 e Sport TV). Na antevisão da partida, Sérgio Conceição sublinhou que os Dragões têm respeito absoluto pela equipa que disputa a Série B do Campeonato de Portugal e garantiu que o coletivo portista encara este desafio com máxima seriedade. Seguir em frente na prova é um objetivo claro e natural.

A preparação para este jogo
“A análise que fazemos para este jogo não é diferente das que fazemos para os outros jogos das outras competições. Olhamos para o adversário, para o seu trajeto e para aquilo que pode fazer contra nós. É um contexto diferente para ambas equipas, mas preparamos o jogo da melhor forma percebendo as características dos jogadores. É provável que o adversário se ajuste à nossa equipa, por isso temos de estar alertados para todos os cenários. Temos a responsabilidade de ultrapassar esta eliminatória.”

O melhor onze
“Não pensamos na rotatividade, mas sim no jogo em si. Temos de ver os minutos que os jogadores jogaram nas seleções, as viagens que tiveram, etc. Olhamos ao pormenor para o que foram as ausências dos jogadores que estiveram nas seleções. Não gosto de falar de rotatividade, pois vamos escolher o onze que dê mais garantias em termos físicos e da estratégia definida. Nunca pensamos em dois jogos de uma vez.”

Os jogadores que estão no boletim clínico
“O Corona não vai estar disponível para o jogo de amanhã e o Marega também será difícil, mas o Romário Baró pode estar na convocatória. Lamento as ausências, pois gosto de ter o plantel completo. O futebol é isto mesmo. Agora é recuperá-los o mais rápido possível para o ciclo intenso de jogos que vamos ter.”

Os objetivos na Taça de Portugal
“O desafio é fazer melhor do que no ano passado e do que há dois anos. Vamos tentar chegar à final e ganhá-la. Para chegar a esse objetivo, é importante e necessário ganhar ao Coimbrões. Queremos passar todas as etapas e dar uma resposta diferente na final.”

Todos são importantes e fundamentais
“Olhamos para o plantel como um todo e toda a gente é importante e fundamental neste trajeto. Há jogadores com menos minutos, mas esta pode ser uma janela de oportunidade para somarem mais minutos. Todos os treinos e todos os jogos são oportunidades para os jogadores se mostrarem e dizerem que são importantes. Vamos iniciar o jogo com o melhor onze em função de tudo o que já expliquei.”

A eliminação do Sporting em Alverca
“Quem é conhecedor do futebol, e eu sigo todos os campeonatos em Portugal, sabe do valor do Alverca, do Coimbrões, etc. No Coimbrões estão muitos jogadores com formação em clubes de topo como o FC Porto, Boavista, etc. São jogadores com qualidade e, quando defrontam uma equipa como o FC Porto, há muita gente que se quer mostrar. Se não estivermos igualmente motivados, podemos ter dificuldades. Fala-se dos erros do Sporting, mas prefiro falar do grande trabalho que a equipa do Alverca fez para conseguir ganhar o jogo.”

Respeito pelo adversário
“O respeito pelo adversário e pelas pessoas é fundamental nas nossas vidas. Quem não funcionar dessa forma, tem surpresas desagradáveis. Os jogadores sabem disso e faço questão que eles saibam disso. Eles têm de saber como joga a equipa do Coimbrões e as individualidades que tem. Conhecemos bem o Coimbrões e isso diz bem do respeito que temos por eles.”

Facilidades que já não existem
“Hoje em dia não há jogos fáceis. Há 20 anos havia grandes diferenças, mas hoje em dia não existem. Somos o FC Porto e vamos jogar contra o Coimbrões, mas temos de fazer o nosso jogo e limitar ao máximo a motivação do nosso adversário num jogo desta natureza. No plano emocional é importante estarmos no máximo. Além disso, é preciso conhecimento do adversário, principalmente das individualidades pois a estratégia só ficamos a saber no jogo. Temos que entrar para ganhar e para ganhar temos de estar no nosso máximo a todos os níveis.”

Saravia
“Estamos a falar do Saravia mas também podíamos estar a falar do Loum, que teve dificuldades por causa de lesões que o prejudicaram em vários momentos. O Saravia esteve no jogo em casa com o Krasnodar e não foi o culpado da derrota. A culpa é de todos, começando por mim. O Saravia encontrou algumas dificuldades no plano defensivo, mas está a melhorar e vai ser importante durante a época, tal como todos os que têm tido menos minutos de jogo.”

Fonte: fcporto.pt