Rui Silva: “Os objetivos são sempre os mesmos”

FC Porto Sofarma viaja até aos Açores para defrontar o Sporting da Horta (quarta-feira, 22h00 Portugal Continental), na 19.ª jornada do Andebol 1.

O FC Porto Sofarma viaja esta quarta-feira até aos Açores para a 19.ª jornada do campeonato. Os Dragões de Magnus Andersson procuram somar o sétimo triunfo consecutivo no Andebol 1 no pavilhão do Sporting da Horta (22h00 Portugal Continental, Porto Canal e FC Porto TV), frente a um adversário que “costuma apresentar um nível mais elevado” quando joga em casa. Para combater essas adversidades, o central Rui Silva projeta um FC Porto preparado e motivado para “trazer os três pontos para o Porto” e reforça que “os objetivos são sempre os mesmos” para a formação azul e branca: entrar em campo e vencer.

Os azuis e brancos partilham a liderança da tabela com o Sporting, ambos com 53 pontos. Já o Sporting da Horta ocupa o 12.º lugar, com 24.

Regressar para contribuir
“Depois de uma semana longe da equipa, sinto-me bem e pronto para ajudar a equipa nestes dois jogos que faltam até ao Natal. Acredito que a equipa está bem. Temos vindo a fazer um bom trabalho nestes últimos jogos para o campeonato. Tivemos um excelente desempenho no último jogo frente ao FC Gaia, no qual conseguimos demonstrar as diferenças que existem entre as duas equipas, mas sabemos que ainda faltam dois jogos.”

Objetivos definidos antes da deslocação
“Os objetivos são sempre os mesmos. Vamos entrar para ganhar e fazer um bom jogo. Sabemos que temos uma viagem longa pela frente, na qual por vezes é complicado chegar aos Açores, mas vamos para lá para vencer e trazer os três pontos para o Porto.”

O Sporting da Horta
“Para eles é sempre um jogo diferente, porque vão receber o campeão nacional e vão tentar se superar. É uma equipa que, em casa, costuma apresentar um nível mais elevado, mas treinamos para superar as dificuldades que vamos encontrar nos Açores e acredito que estamos preparados para o jogo.”

Rótulo de ‘cérebro’ da equipa
“Todos os jogadores desta equipa têm a sua função e, o facto de não ter uma estrutura física que os outros têm, faz com que trabalhe e evolua outros pontos do meu jogo para estar a um nível alto todos os dias. Se me consideram o ‘cérebro’ da equipa, fico muito feliz com isso.”

Fonte: fcporto.pt