Oficial de ligação aos adeptos do FC Porto e Super Dragões denunciam apreensão de cachecol

Na origem da apreensão está a frase reproduzida no adereço: “No pyro, no party”. Fernando Saul acusa as autoridades de dualidade de critérios em relação ao rival Benfica, e deixa uma questão: “Até quando?”.

Fernando Saul, oficial de ligação aos adeptos do FC Porto, e os Super Dragões, denunciaram, nas redes sociais, uma apreensão de um cachecol a um adepto portista em pleno estádio do Dragão.

O incidente terá ocorrido na noite de quarta-feira, na receção ao Estoril: “Durante o jogo, tivemos as autoridades a interpelar adeptos e a retirar-lhes cachecóis fazendo autos de apreensão”.

“De facto um jovem ter um cachecol ao pescoço é um ato extremamente perigoso e de uma ilegalidade extrema”, escreveu o speaker do estádio do Dragão, que acusou, ainda, as autoridades de “provocar os adeptos do FC Porto”, ao mesmo tempo que o contrário sucede em outros estádios.

“Ontem, em Lisboa, assistimos a mais do mesmo, os ilegais a vangloriarem-se com esse facto e as autoridades permitirem a entrada de faixas e bandeiras proibidas nos termos da lei. Em Aveiro, no passado sábado, vimos esses mesmo até lhes ser permitida a entrada no estádio por quem de direito com as portas ainda fechadas”, lamentou Fernando Saul.

O oficial de ligação aos adeptos termina mostrando-se cansado de “tanta presunção e tanta falta de vergonha”: “Não me calarei, nunca perante tudo isto, e deixo uma pergunta ao Governo português, ao IPDJ e a todas as autoridades. Até quando?”.

De acordo com o auto de apreensão, divulgado na página do Facebook dos Super Dragões, no adereço em questão constava a inscrição “No pyro, no party”.

Foi através da mesma rede social que a claque do FC Porto contestou a tomada de posição da PSP:

“Enquanto para o lado sul do país os ilegais continuam a vangloriar-se e a usufruir de um certo apoio institucional e de uma completa apatia policial, no norte do país a mesma polícia é capaz de levantar um auto a um adepto por este ter um cachecol com a seguinte designação ‘No pyro, no party'”, pode ler-se na publicação, acompanhada da fotografia do documento.

Fonte: noticiasaominuto.com