Novo sistema do FC Porto precisa de tempo para ter nota artística

Pedro Moreira, antigo médio dos portistas, avalia desempenho de Danilo e reconhece que, se não estivesse lesionado, esta poderia ser uma boa oportunidade para Sérgio Oliveira entrar no 11.

Pedro Moreira apela à paciência dos adeptos do FC Porto, oferecendo-lhes a garantia de que a equipa vai voltar a produzir futebol de qualidade. O antigo médio dos portistas puxa pelo fator tempo, por um lado, e pela qualidade dos jogadores, por outro, para sustentar a ideia de que o novo sistema tático vai acabar por ser avaliado com nota artística elevada.

“O ‘mister’ Conceição optou por mudar o sistema tático, mas as coisas não passam a funcionar de um dia para o outro. Podem obter resultados, mas a nível exibicional as coisas não estão a ser como queriam. Penso que vão conseguir ter qualidade, mas no Porto todos querem é resultados”, sustenta o jogador, em entrevista à Renascença, reforçando que “com o passar dos jogos a qualidade vai aumentar, porque há jogadores para isso”.

Na primeira vez em que a equipa se exibiu, esta época, em 4x3x3, frente ao Famalicão, o Porto encantou a plateia. Seguiram-se, no entanto, duas apresentações apagadas, com Marítimo e Desportivo das Aves. Os elementos do meio-campo estão sob avaliação mas apertada e, nesse particular, Danilo tem estado abaixo do nível habitual.

Uma situação que Pedro Moreira considera normal. O médio, que esteve no Porto entre 2012 e 2014, adverte que “os jogadores não são máquinas, não conseguem estar sempre a 100%”.

“Os adeptos, por vezes, não entendem que nós podemos ter problemas, sejam eles familiares, de saúde ou físicos. Penso que ele vai chegar ao nível que nos habituou e as pessoas vão esquecer dos jogos menos bons que está a fazer. Apesar de não estar ao nível que nos habituou, está a jogar bem e a ajudar o Porto”, relativiza o jogador, de 30 anos, que não chegou a ter oportunidade de se estrear pela equipa principal dos dragões.

Foi, no entanto, peça influente em duas campanhas da equipa B, na II Liga, onde jogou, por exemplo, com Sérgio Oliveira. Médio que, na sua opinião, poderia crescer no 11 do Porto, neste momento, e ajudar a equipa a crescer. “Era uma altura boa [para o Sérgio Oliveira jogar]. Ele conhece muito bem o Porto e o Sérgio Conceição também o conhece bem. É um jogador livre, solto que arrisca e era uma boa oportunidade para ele”, afirma, lamentando o facto do antigo companheiro estar a lesionado.

O FC Porto está no segundo lugar do campeonato, a dois pontos do Benfica. Pedro Moreira, de 30 anos, teve três anos de ligação ao FC Porto. Nas duas primeiras temporadas jogou pela equipa B e na terceira época foi emprestado ao Rio Ave.

Formado no Boavista, o médio de Lousada estreou-se pelos axadrezados em 2007/08, ainda na I Liga. Viveu o drama da descida de divisão do clube, por decisão de secretaria, e manteve contrato até 2012. No entanto, não ficou no Bessa. Foi cedido ao Gil Vicente e ao Portimonense.

Em 2015 assinou, em definitivo, pelo Rio Ave, clube onde esteve até 2018. Não renovou contrato e na época passada viveu a sua primeira experiência fora de Portugal, nos romenos do Hermannstadt. Pedro Moreira está sem clube, depois de rejeitar algumas propostas que lhe foram apresentadas e está na expectativa de voltar a competir a partir de janeiro.

Fonte: rr.sapo.pt