Kayel Locke: “Temos trabalhado intensamente e isso vai ajudar-nos”

Dragões deslocam-se a Ílhavo para medir forças com o Illiabum, na 12.ª jornada do campeonato (sábado, 15h00).

O FC Porto vai até Ílhavo este sábado, na 12.ª ronda da Liga Portuguesa de basquetebol, para defrontar o Illiabum. Na antevisão do jogo, cujo início está marcado para as 15h00, o extremo norte-americano Kayel Locke mostrou-se confiante de que o trabalho levado a cabo pelos Dragões vai permitir trazer um resultado positivo para a Invicta. Os portistas são um dos três líderes do campeonato (21 pontos), ao passo que o Illiabum se encontra no nono lugar (15 pontos).

Reação à primeira derrota da época
“Estamos a lidar bem com isso. Foi o nosso primeiro grande teste contra uma equipa muito boa, tivemos problemas relacionados com lesões pouco antes do jogo e nunca é fácil, nessa situação, fazer os ajustamentos necessários. Espero que possamos melhorar e ultrapassar as lesões que temos. No fundo, estamos bem animicamente, com vontade de trabalhar e de dar uma resposta a este desaire”

Deslocação a Ílhavo
“Não é um risco ir lá, antes um desafio. Qualquer encontro nesta Liga é um desafio se partirmos para ele bem preparados. Não sei muito sobre este adversário, porque estou aqui há pouco tempo, mas já ouvi dizer que jogam muito bem em casa e é um recinto onde é difícil atuar, mas temos trabalhado intensamente e isso vai ajudar-nos, independentemente do adversário”.

Adaptação ao clube e à cidade
“Está a correr bem. Os meus colegas de equipa, o treinador e todas as outras pessoas que trabalham no clube têm-me ajudado no processo de adaptação, estou a adorar a cidade e venho muito feliz treinar todos os dias. Todos os dias sinto que conheço alguém diferente, tem sido uma experiência muito boa e estou muito feliz por estar cá até ao momento”.

Diferenças entre o campeonato português e o holandês
“Há muitas diferenças. A minha última experiência europeia foi na Holanda e a estrutura lá é muito diferente: no geral, lá é tudo mais equilibrado, aqui há mais variações, todas as equipas têm um bom nível, mas por vezes há o desafio de voar para ir até alguns locais e de enfrentar certos ambientes. No fundo, é interessante ver as diferenças entre as Ligas de diferentes países. Estou a habituar-me cada vez mais à Liga Portuguesa e com vontade de saber mais sobre o campeonato português e de conhecer outros jogadores de outras cidades”.

Fonte: fcporto.pt